Curitiba, 27/06/2019

SEU CÃO PERDEU OS MOVIMENTOS? SAIBA O QUE FAZER!

Texto por M.V. Ma. Mhayara Reusing

Em muitos casos de paralisia em cães, fica a dúvida se é ou não indicada a cirurgia. Mas antes de responder essa pergunta, precisamos entender que existem várias causas para perda de movimento. Nesse texto vamos comentar sobre algumas delas, e como proceder em cada caso.

Atenção aos sinais clínicos: se o seu animal está com fraqueza, perda de equilíbrio, incoordenação, arrastando algum membro, dificuldade para se levantar, ou chegou a perder completamente os movimentos (e isso pode ocorrer de um dos lados – hemiparesia; somente em um membro – monoparesia; somente membros de trás – paraparesia; ou nos quatro membros – tetraparesia), PROCURE UM NEUROLOGISTA! Esse é o primeiro passo! A partir da avaliação neurológica clínica (nervos cranianos, postura, marcha, reflexos, sensibilidade, reações), o profissional especialista optará ou não por exames complementares para concluir o diagnóstico, pois muitas doenças geram sinais clínicos em comum, não sendo possível fechar o diagnóstico e indicar o tratamento mais adequado! Os exames complementares indicados geralmente estão listados abaixo, e o profissional fará a indicação de acordo com a suspeita e lista de diagnósticos diferenciais a partir da avaliação clínica do paciente:

  • Radiografia: capaz de avaliar espaços entre as vértebras, estruturas ósseas, fraturas, luxações, infecções (como a discoespondilite), malformações (ex. hemivértebras), os famosos “bicos-de-papagaio” (espondiloses), que diga-se de passagem, esses últimos não são a causa primária da perda de movimento por não comprimirem a medula!
  • Tomografia: exame com visualização 3d, permite a avaliação interna do canal medular, trazendo mais informações que a radiografia, sendo mais sensível para o diagnóstico das lesões acima citadas. Possível ainda de ser realizada com contraste para aumentar a detecção de compressões medulares ou lesões neoplásicas.
  • Ressonância magnética: avalia com ainda mais precisão pois permite a detecção de lesões intramedulares, como causas isquêmicas (falta de irrigação sanguínea, como na embolia fibrocartilaginosa), contusão ou concussão medular, hérnia de disco tipo III, neoplasias de raízes nervosas e medula.
  • Análise do liquor: o sistema nervoso central é banhado por um líquido, e a análise do mesmo serve para o diagnóstico de lesões inflamatórias e infecciosas, podendo detectar meningites fúngicas, bacterianas, presença ou não de células de defesa, e outras alterações indicativas de doenças específicas.

Todas as doenças citadas acima são causas muito comuns de perda de movimento em cães! Por isso, compreendida essa primeira parte, e a partir do diagnóstico correto, podemos pensar no tratamento mais adequado! O quadro resumo abaixo exemplifica quais os tratamentos indicados para caso.


Recentemente, tivemos um caso bem sucedido de recuperação de um cão com hérnia de disco toracolombar grau III, com tratamento conservador associado a fisioterapia! Acompanhe o vídeo produzido pela médica veterinária Ludmylla Silva, do Instituto de Reabilitação Animal:

 

Sendo assim, sempre procure métodos que possam ajudar no tratamento de lesões neurológicas! Agende uma consulta conosco! Seu animal pode apresentar melhoras surpreendentes com a reabilitação física! Estamos à disposição para proporcionar o melhor tratamento do seu animalzinho, entre em contato pelos telefones (41) 3039-0216 e (41) 99876-1486!