Fonte: Blog Papo Pet / Bem Paraná

Pets parecidos na saúde e na doença – Conheça algumas formas de prevenção de problemas articulares

A semelhança entre cães e seus tutores é realmente muito grande e vai além das aparências e comportamento. Os caninos podem apresentar problemas de saúde muito parecidos com os dos humanos. E até mesmo medicamentos para determinados tratamentos podem ser quase iguais.

Ao ver a prescrição da fórmula feita pela médica veterinária para a minha poodle, quase confundi as receitas. Condroitina, Glicosamina, Colágeno e Ômega 3. Mas a grande diferença é que as fórmulas manipuladas são feitas em farmácias distintas para cada espécie. E esse segmento cresce a cada dia em Curitiba. Pude conhecer cinco delas numa rápida pesquisa.

No caso da minha poodle, a indicação das substâncias prescritas têm a finalidade de colaborar para a integridade das articulações. Porque tanto para humanos quanto para cães essa parte do organismo sofre um desgaste natural, por estilo de vida ou excesso de exercícios. E com o passar dos anos tudo piora. Dificuldades locomotoras levam, muitas vezes, a movimentos compensatórios em outros membros, sobrecarregando  outros e demais articulações. Nesse sentido, a reabilitação animal, por meio da fisioterapia e acupuntura, pode tratar lesões iniciais e ajudar na prevenção de lesões secundárias. Ainda, recomenda-se preventivamente o uso de condroprotetores que ajudam a preservar estruturas articulares como cartilagens e ligamentos.

Especialmente em cães, o impacto de subir e descer escadas, pisos lisos (sem aderência), que causam instabilidade no andar, arrancadas bruscas no passeio podem agravar esse processo. Lembrando que a partir dos sete anos de idade, os cães já são considerados idosos. Além das medicações, a fisioterapia também costuma ser indicada associada ao tratamento para os problemas de articulação. E assim, eu e Bebel seguimos, paralelamente, naquelas tradicionais 10 sessões para começar.

Para esclarecer sobre esse tema o Papo Pet entrevistou a médica veterinária e especialista em Fisioterapia do Instituto de Reabilitação Animal (IR Animal), Mhayara Reusing.

Papo Pet: Qual a indicação de medicamentos como a condroitina e glicosamina para cães?

Mhayara: Ambas servem para auxiliar no tratamento de lesões articulares. Existem estudos mostrando que auxiliam na formação do preenchimento da matriz cartilaginosa, bem como no aspecto do líquido sinovial (que lubrifica e nutre as articulações). Outra indicação que a condrotina pode ser benéfica é como auxiliar no tratamento de colapso de traqueia.

Papo Pet: E sobre Colágeno e Ômega?

Mhayara: O colágeno compõe estruturas ligamentares, tendões e cartilagens, e sua suplementação é indicada para lesões articulares. Seu mecanismo de ação se dá de forma direta e indireta, reduzindo a inflamação que ocorre na artrite, modulando a resposta inflamatória. Também com ação anti-inflamatória, o uso oral de ácidos graxos como ômega 3 reduz a síntese de fatores pró-inflamatórios, reduzindo a destruição da cartilagem e favorecendo a sua reconstrução, podendo ser adjuvante nas artrites reumatoides.

Papo Pet: Gatos também podem utilizar?

Mhayara: Podem utilizar, tendo os mesmos benefícios. Como a administração é diária, fórmulas palatáveis (sabor peixe, carne) podem facilitar o manejo.

Papo Pet: A partir de qual idade? É possível usar de forma preventiva?

Mhayara: Em casos preventivos, a idade em cães saudáveis pode variar de acordo com o porte do cão, sendo 4-5 anos para cães gigantes, 5-6 anos para cães grandes, 6-7 anos para cães médios e acima de 7 anos para cães pequenos. Gatos a partir de 8 anos podem receber suplementação. Não devemos suplementar de forma contínua, mantendo os condrócitos ativos e viáveis e evitando-se efeitos colaterais a longo prazo!

Papo Pet: Existem petiscos com condroitina e glicosamina. Eles são indicados?

Mhayara: Sim, de forma preventiva podem ser utilizados petiscos com condroitina e glicosamina, seguindo as recomendações de cada apresentação. Entretanto, para cães em tratamento, recomenda-se a prescrição médica veterinária para que a dosagem terapêutica seja administrada de forma correta.

Papo Pet: É possível algum alimento conter essas substâncias? As rações costumam têm?

Mhayara: Algumas rações “sênior” e para raças gigantes costumam ter esses componentes e sua formulação. Quanto aos alimentos, a cartilagem e medula óssea de animais é rica nesses componentes, sendo importante ressaltar que não se pode dar ossos pequenos e pontiagudos a cães a gatos, sob o risco de perfuração e obstrução do trato gastrintestinal.

Papo Pet: Quais cuidados devem ser tomados ao longo da vida de um animal para preservar suas articulações?

Mhayara: O piso onde o animal fica deve ser aderente, o que geralmente ocorre em pisos externos (calçadas, gramados, lajotas ásperas). Em ambientes internos recomenda-se uso de tapetes, passadeiras emborrachadas ou EVA  que podem ser comprados em metro. Não se deve deixar que cães pulem em móveis (camas, sofás), nem desçam e suba escadas, pois o alto impacto é prejudicial. Recomenda-se então, a prática regular de exercícios físicos como a caminhada em solo macio. Orientações específicas devem ser solicitadas ao médico veterinário responsável ou especialista da área de reabilitação animal.

Papo Pet: Como a fisioterapia age em caso em que já existe um desgaste natural?

Mhayara: Como a musculatura faz parte dos estabilizadores articulares, a fisioterapia promove o fortalecimento muscular, diminuindo o desgaste da cartilagem articular, melhorando amplitudes de movimento e promovendo lubrificação articular. Isso se dá através de exercícios de baixo impacto em esteira aquática e cinesioterapia (exercícios terapêuticos em tábuas de equilíbrio, bolas, realizados para trabalhar musculaturas específicas para cada caso). Modalidades como TENS (eletroterapia), Magnetoterapia e Laserterapia também podem auxiliar na diminuição da inflamação.

Papo Pet: Qual o perfil de cães e gatos com maior probabilidade de apresentar esse tipo de problema?

Mhayara: Em geral, cães e gatos com lesões traumáticas podem desencadear o processo da artrose precocemente, seja por quedas, atropelamentos, ou até mesmo por microtraumas devido a esforço e impacto repetitivo (saltos, corrida). Eliminando-se fatores externos (hábitos, ambiente), fatores internos podem predispor a lesões articulares, como obesidade, castração precoce, fatores genéticos (algumas raças tem incidência maior de artropatias). Por exemplo, a displasia coxofemoral tem um alto fator de herdabilidade (passar seus genes dos pais para os filhos), e é muito comum em labradores, pastores alemães, golden retrievers, mas também tem siso muito diagnosticada em cocker, lhasa apso, yorkshire, devido aos hábitos e ambiente em que o animal vive. Ou seja, tanto o desenvolvimento de doenças articulares, quanto seu tratamento e prevenção são influenciados por aspectos ambientais, que devem ser corrigidos para melhorar a qualidade de vida dos cães e gatos com lesões locomotoras.