A OMS (Organização Mundial da Saúde) já chamou, por vezes, a depressão de “o mal do século”. Atualmente, a rotina estafante, o excesso de estímulos e a sensação de uma produtividade descontrolada podem ser grandes desafios para uma pessoa. Todos estes fatores citados anteriormente podem trazer sensações de ansiedade e tristeza que podem durar por meses ou, até mesmo, por vários anos.

Contudo, é importante ressaltar que a depressão não é um mal que está restrito aos seres humanos. Na realidade, a doença tem sido registrada e documentada em diversas espécies de animais. Uma vez que são animais domésticos e, portanto, têm contato direto e frequente com humanos, a depressão pode atingir também cães e gatos.

Mas como identificar os sintomas e saber, com certeza, se um gato pode estar com sinais de depressão? Pensando nisso, preparamos esse guia completo para você ficar atento. Confira!

O que pode fazer um gato desenvolver depressão?

Animais de estimação também possuem sentimentos. Muitas vezes, eles podem ficar confusos e ter dificuldades para se adaptar a mudanças bruscas. Alguns exemplos seriam morar em uma nova casa, mudanças repentinas na mobília, perda de um outro pet ou de um ente querido, viagens longas do dono, entre outros.

Também é importante ressaltar que os pets precisam receber estímulos constantes. Brincar com o dono e passear nas redondezas – no caso de gatos que se adaptaram bem às guias e coleiras -, são duas formas de o animal liberar o estresse e ficar mais contente durante o dia a dia. Também não é interessante que o dono fique fora de casa o dia todo, uma vez que isso pode trazer ao seu pet uma sensação de tristeza extrema.

Principais sinais e sintomas de depressão felina

Se você tem um mascote e convive com ele, provavelmente conhece-o bem. Então, a primeira dica para identificar alguma possível mudança de comportamento está na observação do seu pet.

Se seu gato está apresentando um semblante triste, um comportamento isolado ou está mais arisco e/ou agressivo que o normal, é necessário ficar atento. É interessante também prestar atenção em hábitos alimentares. Alguns gatos deprimidos podem comer com menor frequência, perdendo bastante peso.

Caso você também perceba algumas novas “manias”, como se lamber compulsivamente ou fazer necessidades fora da caixinha de areia, é um sinal de alerta a ser observado.

Meu gato apresenta sintomas de depressão. E agora?

Primeiramente, é imprescindível entrar em contato com um veterinário. Ele é quem estará mais apto a realizar exames clínicos e fisiológicos para descobrir se as suspeitas procedem, bem como prescrever medicamentos para tratar a depressão do seu mascote.

No caso do dono, é possível realizar algumas adaptações na rotina para garantir que mais atenção seja dada para seu pet. Algumas maneiras de fazer isso são:

  • Comprar novos brinquedos que o estimulem a se mexer mais;
  • Todos os dias, tirar um tempo para brincar com seu gato;
  • Evitar deixá-lo sozinho;
  • Tentar sempre trazê-lo para o cômodo da casa em que você está no momento.

Não se esqueça: um ambiente que transmita carinho, acolhimento e proteção certamente farão seu gatinho se sentir sempre amado e feliz. Para mais conteúdos sobre veterinária e cuidados com animais de estimação, não deixe de acompanhar o Blog do Ir Animal. Até a próxima!