Bom dia queridos leitores!

Texto por M.V. Mhayara Reusing

O texto de hoje trata de um assunto importante para você que já tem um cão ou pretende adquirir ou adotar um companheiro. Sempre é bom saber sobre as raças e as informações genéticas que cada uma carrega consigo, atentando-se para atitudes preventivas para evitar a manifestação de muitas doenças, ou até mesmo para saber observar sinais clínicos!

A seguir, listamos as principais doenças ortopédicas e neurológicas, seus sinais clínicos e as principais raças relacionadas a cada uma delas. Atenção: não quer dizer que essa ou aquela doença não possa ocorrer em outras raças não listadas… até mesmo cães sem raça definida (nossos queridos vira-latas) podem apresentar qualquer uma dessas doenças. A lista está apenas mostrando as raças mais comumente afetadas 😉

Displasia coxofemoral: desenvolvimento anormal do quadril, levando a dor articular e artrose. Sinais clínicos: dificuldade para se levantar, andar cambaleante, correr com “saltitar de coelho”, dificuldade para subir ou descer escadas/móveis. Raças: pastor alemão, rottweiller, labrador, bulldog inglês. A doença acomete principalemte raças de porte grande e gigante, mas tem sido diagnosticada em lhasa apso, spitz alemão, poodle, devido, sobretudo ao fatores genéticos e ambientais como piso liso (escorregadio) e por pular em sofá, cama.

Luxação de patela medial: deslocamento da patela para a parte interna da coxa (desestabilizando o joelho). Sinais clínicos: mancar ou não apoiar o membro no chão, esticar a perninha para trás para reposicionar a patela. Essa condição predispõe a ruptura de ligamento cruzado cranial. Raças: poodle, pinscher, yorkshire, shih tzu, chiwawa, pug. Apesar de mais comum em raças pequenas, pode acometer cães de médio e grande porte como labradores, por exemplo. Já a luxação de patela lateral, é menos comum, mas mais  observada em cães de raças grandes como samoieda, doberman, pit bull.

Ruptura de ligamento cruzado cranial: doença causada pela fragilidade do ligamento interno do joelho, associada à inflamação da articulação. Sinais clínicos: mancar com membros de trás, podendo parar de apoiar por uma a duas semanas, e depois voltar a apoiar sem descarregar peso, inchaço da articulação do joelho. Raças: pit bull, akita, bulldog, lhasa apso, golden.

Osteocondrite dissecante: desenvolvimento anormal da ossificação do ombro, havendo uma região da cabeça do úmero com a cartilagem em falso, sem apoio de matriz óssea, predispondo a formação de flap de cartilagem, que pode ou não se fragmentar e ficar solto dentro da articulação. A condição é dolorosa e os animais mancam intermitentemente com os membros da frente. Raças: border collie, collies, dogue alemão, rottweiller e fila brasileiro.

Tenossinovite bicipital: inflamação do tendão do músculo bíceps braquial, sendo comum por sobrecarga compensatória dos membros da frente, devido a algum problema de coluna ou lesão ortopédica nos membros de trás. Quase não há predisposição racial, havendo variedade de casos relatados em cães sem raça definida, sendo comum em cães predispostos a lesões em coluna ou membros pélvicos (ver demais afecções).

Tendinose do supra-espinhoso: doença crônica do tendão de inserção do músculo supra-espinhoso, da escápula, podendo haver calcificação, com dor associada, e cladicação de moderada a severa do membro da frente. Raças: bernese, boxer, golden, dálmata, pastor suíço, rottweiller.

Displasia de cotovelo: incongruência articular gerada pela má formação da articulação do cotovelo, podendo haver falhas na ossificação como a não união do processo ancôneo, ou fragmentação, como o processo coronóide. Sinais clínicos são mancar com os membros da frente, jogando a cabeça e pescoço para o alto quando apóia o membro afetado. O importante dessa doença é que ela é muito comum em cães de raças condrodistróficas, com coluna longa e membros curtos: bassethund, daschund, pequenês, lhasa apso, shih tzu, e são muitas vezes considerados como padrão “normal” da raça, o que pode a longo prazo prejudicar muito a locomoção do animal.

Síndrome Chiari Like: seringomielia, com formação de edema dentro do canal medular da região do pescoço, havendo incômodo, dor, rigidez cervical, e dificuldade locomotora. Muitas vezes esses cães se coçam sem tocar orelhas e pescoço, ficam coçando o ar. Raças: king charles cavalier spaniel, griffon de bruxelas, raças de pequeno porte.

Síndrome Wobbler: compressão da medula em região cervical por alterações ósseas ou do disco intervertebral, causando andar cambaleante, cabisbaixos, incoordenação e dificuldade locomotora em diferentes graus nos quatro membros. Raças: dogue alemão, doberman, rottweiller, daschund, são bernardo, dálmata.

Embolia fibrocartilaginosa: como se fosse um AVC (acidente vascular cerebral), mas a nível de medula, ocorro a obstrução de vasos que irrigam a medula, com material do disco intervertebral. Sinais clínicos: paralisia de um membro, paralisia dos membros de um lado só, ou bilteral, ocorre de forma muito aguda, não associada a dor depois do ocorrido. Raças: qualquer raça pode ser acometida, mas é muito comum em Schnauzers.

Hérnia de disco: podem afetar o animal em várias regiões da coluna, sendo em pescoço, toraco-lombar, lombar ou lombossacra. Caracteriza-se pela perda da capacidade do disco intervertebral amortecer os impactos e favorecer os movimentos da coluna, havendo deslocamento do seu material invadindo o canal onde fica a medula e nervos, geralmente associada a dor na região, alteração postural (cifose, com a coluna curvada), fraqueza incoordenação, arrastar membros, incontinência e perda da sensibilidade nos membros. A progressão dos sinais clínicos pode ser lenta ou muito rápida, sendo comum a perda de movimentos abruptamente. Raças: daschund, bassethund, lhasa apso, shih tzu, pequinês, poodle, cocker, pastor alemão. 

Hemivértebra: má formações ósseas em vértebras, que adotam formatos de cunha, triangulares, quadradas, promovendo desalinhamento da coluna com ou sem compressões no canal medular, podendo ou não afetar as funções locomotoras dos membros de trás: fraqueza, arrastar patinhas, incoordenação, perda do equilíbrio, associado ou não a dor na coluna. Raças: pug, bulldog francês.

Espero ter ajudado a saber quais doenças o seu cão pode ter predisposição, e como detectar precocemente suas dificuldades. Sob qualquer dúvida a respeito da locomoção do seu cão, procure ajuda especializada. Estamos à disposição para melhor atendê-lo sempre, trabalhamos com reabilitação física animal!

Envie sua dúvida para contato@iranimal.com.br, iremos ter enorme prazer em respondê-la! Se preferir, também temos whatsapp: (41) 99876-1486.